Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

A coroa de Carlos Magno: jóia adequada ao imperador arquetípico

Na ilustração vemos a coroa de Carlos Magno (742 – 814), o imperador cristão arquetípico.

Na placa frontal, destacam-se as incrustações de pedras preciosas em cabochon, que é a pedra natural, polida, mas sem lapidação.

As pedras incrustadas na coroa são desiguais e enormes; as placas de metal formam como que um quadro cada uma. Sobressai o elo possante de um arco, que encima a preciosa jóia.

No ponto mais alto da placa frontal, uma cruz, significando que o princípio de unidade de tudo é o instrumento de suplício e de glória d’Aquele que é único – a Crux Domini Nostri Jesu Christi (a cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo), aos pés da qual chorou Maria Santíssima.

Vendo a coroa de Carlos Magno, pode-se tentar fazer a recomposição da fisionomia para a qual o artista idealizou essa jóia, porque não se concebe essa coroa para um rosto banal.



Carlos Magno, modelo ideal de imperador católicoQuem a usa, ou possui a fisionomia de um Carlos Magno ou ela fica desproporcional. Não sei como se sentiria um filho dele sob tal coroa. É uma jóia que desafia a fronte sobre a qual ela pousa.

Podemos conjeturar o grande imperador coroado, sua fisionomia radiante, seu rosto ostentando a barba branca e, segundo a legenda, florida. Há um quadro (ilustração ao lado) do pintor alemão Albert Dürer (1471 – 1528), que bem representa essa idéia e a grande personalidade de Carlos Magno.

(Fonte: Plinio Corrêa de Oliveira, 26-10-1980. Sem revisão do autor. Apud “Catolicismo”, maio de 2009)


Desejaria receber gratuitamente 'Jóias e símbolos medievais e símbolos medievais' em meu e-mail

GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS CONTOS CIDADE
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVAL

Um comentário:

TE SAECVLORVM PRINCIPEM disse...

Admiro muito os escritos do Dr. Plinio Correa de Oliveira, mas não concordo muito com esse texto. A chamda Coroa de Carlos Magno sabe-se hoje que é na verdade a coroa de Otto I (datando do século X) e cuja Cruz e o arco teriam sido acrescentados depois, se bem me lembre por Conrado II. Também a imagem de Carlos Magno com longas barbas brancas foi criada a posteriorii, por volta do século XII, quando o uso de barba já era costume bastante difundido (os francos merovíngios e carolíngios costumavam apenas usar bigode). A estátua de bronze do século IX e o mosaico do Triclinium de S. Leão III parecem ser retratos mais verossímeis do Imperador Carlos Magno.